Você está aqui: Página Inicial > Campus > Penedo > Notícias > Evento marca início das aulas do primeiro curso superior presencial do Ifal Penedo
conteúdo

Notícias

Evento marca início das aulas do primeiro curso superior presencial do Ifal Penedo

Aula inaugural reuniu alunos ingressantes no bacharelado em Química Industrial e foi prestigiada pela comunidade do campus
por Lidiane Neves publicado: 10/05/2022 12h19, última modificação: 10/05/2022 20h12

O Instituto Federal de Alagoas – Campus Penedo realizou na noite da última segunda-feira, 9, a aula inaugural do curso de bacharelado em Química Industrial. O momento representa um marco para a história da unidade de ensino, por se tratar da primeira graduação presencial em sua trajetória de quase 12 anos de atuação na região do Baixo São Francisco.

Além de reunir os 40 alunos ingressantes da primeira turma, o evento ocorrido no auditório foi prestigiado por outros estudantes e servidores. Compuseram a mesa de honra da solenidade o diretor-geral do Campus Penedo, Felipe Thiago Souza, a diretora de Articulação do Ensino do Ifal, Patrícia Borsato, o chefe do Departamento de Ensino, Wellinghton Santos, a coordenadora do curso de Química Industrial, Elisangela Santos, o secretário Desenvolvimento Econômico e Turismo de Penedo, Pedro Soares Neto, e o presidente do Conselho Regional de Química (CRQ-AL), Alberto Jorge Silveira.

“Hoje é dia de agradecer por essa conquista, que não foi fácil e demandou esforços de todas as partes, desde a concepção da ideia até as adequações necessárias para aprovação do projeto e inserção da oferta no SiSU [Sistema de Seleção Unificada]”, reconheceu o diretor-geral Felipe Thiago, que também citou alguns dos motivos para a escolha do curso.

“Já tínhamos à disposição equipe docente qualificada nas áreas de Química e Engenharia Química, dispensando a criação de vagas para contratação de novos professores que pudessem atuar no ensino superior. Outro ponto importante é que estamos localizados em uma região estratégica, entre polos industriais de Alagoas e Sergipe, onde há demanda por profissionais qualificados, ou seja, empregabilidade para o químico industrial a ser formado por nossa instituição”, contextualizou.

A coordenadora do bacharelado, Elisangela Santos, também agradeceu a todos os envolvidos para a concretização da oferta, destacando o empenho da comissão formada para a elaboração do Projeto Pedagógico do Curso (PPC). O grupo, que iniciou os trabalhos no final de 2019, foi presidido por ela e contou com a participação dos professores Cleyla Calheiros, Emerson Dantas, Francisco Rego Filho, Guilherme Cavalcanti, Jarbas Gomes, Luciane Brito e Taciana Chaves. “Enfrentamos alguns percalços, que tornaram o processo de implantação do curso mais demorado, mas superamos todos para que o dia de hoje chegasse e pudéssemos estar dando as boas-vindas a vocês”.

AULA INAUGURAL - QUÍMICA INDUSTRIAL - IFAL PENEDOEm seu discurso, a representante da Pró-reitoria de Ensino, Patrícia Borsato, ressaltou o impacto da nova oferta, que fortalece a interiorização e democratização do acesso ao ensino superior público.

“Esse passo dado pelo Ifal Penedo significa oportunidade para muitos jovens do interior, que não vão mais precisar ir aos grandes centros urbanos em busca de ensino superior de qualidade. É um salto que representa a consolidação do campus e da educação em Penedo, o que também beneficia municípios circunvizinhos. O que posso dizer é que estou muito feliz em poder testemunhar o marco histórico dessa conquista, que será coroada no dia em que vocês estiverem aqui colando grau”.

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Pedro Soares, também manifestou entusiasmo ao falar sobre a oportunidade de testemunhar a evolução do Ifal na cidade ribeirinha. “É uma grande felicidade estar aqui hoje nessa primeira aula do curso superior, porque venho acompanhando o Campus Penedo desde seu projeto de implantação, em 2007, e participei das primeiras formaturas dos cursos técnicos”, relatou o representante da prefeitura, reforçando a parceria já existente com a instituição e as portas que seguem abertas para os estudantes, através do Programa Estagiar, de iniciativa do governo municipal.

Palestra e homenagem

A aluna Juci Alana Santos Silva foi homenageada pelo CRQ-AL pela aprovação em primeiro lugar.Além de compor a mesa de honra, o presidente do CRQ em Alagoas ministrou a palestra da aula inaugural que teve como tema “A importância do profissional da Química”. Graduado em Engenharia de Materiais pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e mestre em Energia da Biomassa pela Federal de Alagoas (Ufal), Alberto Jorge Silveira está à frente do CRQ da 17ª Região há um ano.

Ao final de sua explanação, em nome do conselho que representa, o palestrante homenageou a aluna aprovada em primeiro lugar para ingresso no curso de Química Industrial. Juci Alana Santos Silva, de 18 anos, acabou de concluir o técnico em Química no Ifal Penedo e garantiu, com destaque, na mesma instituição onde cursou ensino médio, uma vaga no ensino superior.

Democratização do acesso ao ensino superior

A criação do curso no Ifal Penedo fortalece o processo de interiorização do ensino superior público. Até então, no estado, somente era possível cursar Química Industrial de forma gratuita em Maceió, na Ufal. No âmbito do campus, concretiza a verticalização do ensino, ou seja, a possibilidade de o estudante que conclui um dos cursos técnicos integrados ao ensino médio fazer sua graduação na mesma instituição, cuja infraestrutura, corpo docente, equipe técnica e outros recursos ele já conhece.

João Igor Andrade, um dos 25 egressos do Ifal Penedo que compõem a primeira turma da graduação.“Até então, tínhamos vários casos de egressos com vontade de seguir nessa área e ter que sair da cidade para fazer graduação, o que não será mais preciso. E a prova de que o nosso curso superior chega para atender uma demanda real pela verticalização do ensino é o fato de que quase 65% das vagas foram ocupadas por egressos do próprio campus”, afirmou o diretor-geral Felipe Thiago, referindo-se aos 25 dos 40 alunos que compõem a primeira turma.

Um desses egressos, além da estudante Juci Alana, é o técnico em Açúcar e Álcool, João Igor Andrade. No ensino médio, quando começou a estudar no Ifal Penedo, em 2018, ele já pensava em fazer alguma graduação na área de Química. “A vivência acadêmica nos laboratórios durante a formação técnica só reforçou minha paixão pela área. A ideia era tentar em Maceió, mas o custo de vida lá é maior, dificultando mais as coisas. Não pensei duas vezes quando soube do curso superior daqui”, disse o estudante, que reside em Piaçabuçu e pode contar com o transporte escolar municipal gratuito para se deslocar diariamente até Penedo.

Elenaldo dos Santos, aluno da primeira turma do curso superior.Independentemente de ter ou não estudado no Ifal, a nova graduação abre portas e alimenta as expectativas de mudança de vida de jovens e adultos da cidade ribeirinha e região. O calouro Elenaldo dos Santos, de 27 anos, por exemplo, concluiu o ensino médio em 2018, na Escola Estadual Professora Ruth Mendonça (CAIC), mas só decidiu fazer o Enem pela primeira vez em 2021, depois da experiência de trabalhar no setor de corte de cana-de-açúcar de uma usina da região.

“Decidi que quero estudar para ser outro tipo de profissional”, disse animado o jovem penedense, que espera não interromper os estudos para trabalhar, como já aconteceu em anos anteriores. “Atualmente estou desempregado e a gente sabe como é difícil se manter assim. Mas, se surgir algo, como o curso é noturno, farei de tudo para conciliar e seguir no Ifal, até eu me tornar um químico industrial”.

Sobre a graduação

Com um projeto pedagógico que busca unificar ciência, tecnologia e trabalho nas atividades intelectuais e manuais, o curso superior em Química Industrial é voltado para a formação de profissionais cuja área de atuação é ampla e diversificada. Para conhecer o PPC com a grade curricular e ementas das disciplinas, CLIQUE AQUI.

Em Alagoas, por exemplo, o bacharel pode desenvolver suas habilidades e competências na indústria de açúcar e etanol, produtos alimentares em geral, produtos químicos e derivados, cimento, resinas termoplásticas, fertilizantes, artefatos diversos e embalagens plásticas, produtos cerâmicos, gás natural, construção civil e indústria metal mecânica.

A graduação é noturna e tem duração mínima de cinco anos (10 períodos). A oferta é de 40 vagas anuais, com ingresso no primeiro semestre, via SiSU. Ou seja, para concorrer às vagas, os candidatos precisam ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), pois o sistema utiliza a nota da edição mais recente para selecionar os estudantes.

Para desenvolvimento das atividades, os graduandos contarão com a estrutura de salas, laboratórios e biblioteca que o campus já dispõe e vem melhorando nos últimos anos, resultado dos investimentos da gestão para a aquisição de equipamentos, reforma e adequação dos espaços físicos, ampliação e diversificação do acervo bibliográfico, entre outras ações. Aos estudantes do superior, também serão estendidos os programas de Assistência Estudantil, cujas ações buscam colaborar para a permanência e o êxito acadêmico dos discentes.