Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Novos professores exaltam papel da docência para transformar a sociedade

Notícias

Novos professores exaltam papel da docência para transformar a sociedade

por Gerônimo Vicente - jornalista publicado: 19/07/2019 17h20 última modificação: 25/07/2019 11h57
Exibir carrossel de imagens Gerônimo Vicente Eunice Palmeira, reitora-substituta presidiu a cerimônia de posse

Eunice Palmeira, reitora-substituta presidiu a cerimônia de posse

O  exercício da  docência como fator de transformação social e de valorização humana foi o tema que dominou a posse de dez  novos professores do Instituto Federal de Alagoas (Ifal) em solenidade ocorrida na manhã desta sexta-feira (19) no gabinete da Reitoria. “A escola pública foi o meu tíquete para mudança na  vida profissional”, disse Francisco de Assis Martins. “Vir para uma instituição que já tem essa linguagem de qualidade social para mim é fundamental”, ressaltou Thiago Bezerra. Esses são trechos de discursos que demonstram a intenção dos novos servidores em contribuir para mudança de uma realidade social. Os docentes passam a reforçar o quadro funcional dos campi de Piranhas, Batalha, Palmeira dos Índios, Penedo, Arapiraca e Santana do Ipanema

A cerimônia foi presidida pela reitora-substituta, a pró-reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (PRPPI), Eunice Palmeira, que  depois de abrir a solenidade foi seguida pelos pronunciamentos dos demais dirigentes. A diretora de Gestão de Pessoas, Adriana Paula Nogueira, a primeira pessoa entre os gestores a discursar,  declarou ser aquela ocasião uma coroação de todos os esforços medidos pelos nomeados e destacou o papel do professor no processo de mudança social dos alunos, diante das dificuldades cotidianas que eles enfrentam para ter acesso a uma escola pública, gratuita e de qualidade.

A pró-reitora de Ensino, Cledilma Costa disse que  o evento era um momento especial por promover reencontro entre ex-alunos e professores e entre servidores que já atuaram  em outras instituições, ao citar o exemplo de dois dos novos servidores, Leon Cavalcante, ex- estudantes do Ifal e da professora de inglês, Rosângela Nunes com quem atuou na Universidade Estadual de Alagoas (Uneal). “É essa dinâmica que a educação nos proporciona.Conseguir tomar posse nos Instituto Federal de Alagoas é uma grande vitória pelos esforços pessoais e pelo contexto atual. Aqui se tem um ensino diferenciado porque vocês vão trabalhar com a educação básica, com o ensino integrado, educação de jovens e adultos, pesquisa, extensão, bacharelado, licenciatura, pós-graduação. Nosso aluno não é o aluno da elite. O Ifal foi criado para atender a quem demanda o nosso serviço. Nós só estamos aqui, como professores, por conta dessa demanda social”, acrescentou a pró-reitoria.

O pró-reitor de Extensão, Abel Coelho reforçou o discurso da pró-reitora de Ensino e  citou a experiência que vivenciou no campus Palmeira dos Índios, onde alguns alunos tinham  dificuldade de locomoção para ir estudar e outros sequer tinham feito a primeira refeição. Para ele,  a extensão contribui para a mudança dessa situação social e conclamou os professores a atuarem para alterar esse quadro adverso.

A pró-reitora de Desenvolvimento Institucional, Edja Laurindo também  orientou os novos docentes a se engajar no processo de motivação dos estudantes. Heverton Andrade, pró-reitor de Administração salientou a representatividade feminina no comando da solenidade, complementou afirmando que a Proad é a válvula  de escape do Ifal e recomendou aos empossados a se aproximarem da área administrativa para melhorar o fluxo de demandas de materiais que proporcione uma aula de qualidade.

 Para o diretor-geral do Campus Penedo, Felipe Thiago aquele era um momento de felicidade e relacionou as qualidades do Ifal para formação profissional de seus alunos “Espero que vocês contribuam para manter essa qualidade social”, disse.

Iatanilton Damasceno, diretor-geral do Campus Piranhas também lembrou a função transformadora do Ifal  e o papel exercido pela unidade do sertão alagoano como uma referência nesse processo de mudança social. Alexandre Fonseca que representou a Direção-Geral do Campus Santana do Ipanema apontou o perfil do Ifal como uma  instituição de ensino onde o aluno começa na educação básica e termina na pós-graduação.

Posse

 

Antes de assinarem o termo de posse, os docentes relataram experiência profissional e momentos de expectativa quanto ao concurso do Ifal.

Ana Maria Azevedo Fireman, professora de Português no campus Piranhas é formada em Letras, possui mestrado e doutorado na área pela Ufal, foi por 19 anos professora do ensino particular e  disse que, tinha como projeto de vida ser servidora do Ifal ou Ufal, mas optou por realizar concurso para o Ifal para participar de transformação social. André Oakes de Oliveira Gonçalves, docente de Física e com lotação no Campus Batalha é natural de Cachoeiro de Itapemirim-ES, veio de Vitória-ES para Maceió e afirmou estar feliz em trabalhar e contribuir para mudar um processo de vulnerabilidade social. Danúbia Cristina Teixeira é ex-aluna do Ifal, engenheira, graduada pela Ufal, mestre em Zootecnia pela UFRJ e, para ela será um prazer trabalhar para transformar as pessoas. Eliza da Silva Vianna, carioca, é formada em história e tem mestrado e doutorado e atuou como professora-substituta no Instituto Federal Fluminense e, segundo ela, a partir desse momento o modelo dos institutos federais se tornou um sonho para ela. Francisco de Assis Martins, professor de Física teve toda trajetória na escola pública e considera essa característica como seu tíquete principal. Leon Cavalcante, professor de Matemática, ex-aluno do Campus Maceió, fez mestrado e foi servidor do Instituto Federal do Sertão Pernambucano, atuando na cidade de Floresta-PE e se mostra feliz em voltar à casa, especialmente para Palmeira dos Índios. Manuela Maria de Lyra, professora  de Logística, é formada em Administração e mestrado na Ufal. ”A gente veio para somar e transformar e motivar os alunos. Para mim é um grande passo na vida”. Rosângela Nunes Lima, aposentada pela Universidade Estadual de Alagoas alegou ser apaixonada pelo que faz. “Procurei concurso público com um mês apenas de estudo, fiz mestrado e doutorado trabalhando e venci”, ressaltou. Thiago Rogério Bezerra, professor de História, tem mestrado em Educação pela UFPE e acha fundamental a relação entre Alagoas e Pernambuco. “Surpreende-me quando a mesa da cerimônia destaca a importância da transformação social. Vir para uma instituição que já tem essa linguagem de qualidade social para mim é fundamental”.

O relato de Renata Imaculada Soares Pereira chamou a atenção dos demais presentes no momento em chamou a mãe que, segundo ela, deixou de trabalhar para cuidar dos filhos. “Todo mérito é dela e o sonho dela era esse”. Renata foi aluna do IFCE, campus Maracanaú, integrou a primeira turma em 2008 do curso técnico e também a primeira turma do curso superior. “Lá conheci um professor de Eletrônica que mudou a minha vida. O que meus pais me ensinaram foi que eu nunca desistisse. Ela fez um relato sobre a vida acadêmica com bolsas de mestrado e doutorado pela Capes e destacou o apoio de professores do  instituto cearense. ”Sempre fui bolsista, nunca tive carteira de trabalho assinada. Aguardava resultados de outros concursos, quando surgiu o edital para o Ifal e fuii aprovada. Renata recebeu uma homenagem do pai Almir Pereira com um texto sobre a importância da educação", relembrou.

Ao proferir o discurso, a reitora-substituta Eunice Palmeira declarou que aquele momento de posse era histórico para o Ifal por ser uma mulher no comando do posto mais importante da instituição por apoio do reitor Carlos Guedes, para ela, um entusiasta da educação pública  e também salientou a importância dos professores no processo de mudança social.


registrado em: