Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Na luta contra o preconceito, IV Mostra da Consciência Negra usa o conhecimento

Notícias

Na luta contra o preconceito, IV Mostra da Consciência Negra usa o conhecimento

por publicado: 27/11/2017 12h32 última modificação: 27/11/2017 12h32

Já é tradição no calendário de eventos do Campus Santana: discutir a questão do negro na sociedade é um dos compromissos da instituição. Desde 2015 eventos alusivos à consciência negra são realizados no espaço educacional, observando a formação humana, consagrada na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a LDB.

Este ano o olhar da IV Mostra da Consciência Negra, realizada nos dias 24 e 25 de novembro, na mesma semana que consagra do Dia Nacional da Consciência Negra, celebrado no último dia 20, foi sobre aspectos da cultura negra que, historicamente, continuam relegados ao segundo plano, servindo como base para o preconceito. É o caso das religiões de matrizes afrodescendentes, que chegaram ao país com os escravos africanos e vão muito além da fé. As práticas religiosas fazem referência às comidas, músicas e hábitos não apenas dos escravos, mas também dos seus colonizadores, conforme reconhece a Organização das Nações Unidas (ONU), no estudo chamado “Década Internacional dos Afrodescendentes (2015-2024).

Imagem 6

Na luta contra o preconceito, iniciativas como as mostras da consciência negra, realizadas aqui, são armas poderosas. Com o tema “Mulheres Negras e Afrobrasilidades: Literatura, Resistência e Liberdade Religiosa”, a IV Mostra da Consciência Negra discutiu o contexto histórico e o cenário atual do tema que nem a legislação foi capaz de frear: o preconceito religioso. Desde 1989, o ordenamento jurídico brasileiro considera crime a intolerância religiosa, segundo a Lei nº 7.716/89, conhecida como Lei Caó, cuja pena pode chegar a reclusão de 1 a 3 anos. A lei não conseguiu, ainda, alterar o cenário, que levou, por exemplo, uma menina de 11 anos a ser atingida por uma pedra, na saída de um culto de candomblé na Vila da Penha, Rio de Janeiro.

No que depender do Campus Santana registros como esse sairão do mapa. No evento, além da discussão sobre intolerância religiosa, as questões da mulher negra foram debatidas, como na mesa redonda de abertura, que contou com a presença da Yalorixá e advogada especialista em Ciências Criminais, Kandysse Melo, que ministrou a palestra “Feminicídio das mulheres negras em Alagoas”. Antes, o grupo cultural Makulelê realizou apresentações culturais, que animaram os presentes. 

Imagem 2

Outra mesa redonda que marcou a programação do evento tratou do papel da mulher negra na sociedade, com a presença de Suzana Paulino, Dra em Letras pela UFPE e pela University of Birmingham, que apresentou a palestra “Quilombelas: Insterseccionalidades e Resistência”. Suzana ainda ministrou a oficina “A mulher Negra na aula de Literatura”, atraindo atenção dos presentes. A cultura africana também se manifestou com a apresentação do grupo de percussão “Batuque Moleque”. 

Imagem 9

 

Uma grande mesa redonda avivou o evento no período vespertino, contando a participação dos professores Gustavo Gomes, da UFAL Sertão, Mestre em Educação, e de Dr. Cleber Correia de Araújo, da UNEAL Arapiraca. Os temas discutidos por eles foram, respectivamente, “Resistência dos cultos de matriz africana em novos tempos de intolerância religiosa“ e “O feminino na cosmovisão dos povos de matriz africana”. Teve, ainda, Cine Pipoca, com a exibição do filme “1912: o quebra de Xangô”. O Grupo de Afoxé Abí Axé Egbé encerrou o primeiro dia do evento sob aplausos e empolgação dos participantes.

Imagem 8

 

Sábado Letivo

 

A programação da IV Mostra da Consciência Negra adentrou no sábado, dia 25. Uma roda de capoeira com o grupo “Liberdade” abriu as atividades no final de semana. Com o tema “História, cidadania - diálogos com a identidade negra no Povoado Alto do Tamanduá”, a roda de conversa, conduzida pelo Professor Flávio Veiga, do Campus Murici, deu voz às mulheres quilombolas do município de Poço das Trincheiras.

Imagem 3

Uma conferência show levou cultura afrobrasileira, sertaneja e cordel para o evento, sucesso de público e crítica, com a participação de Silvano Gabriel. A oficina de musicalização "Afrobatuque com materiais reutilizados", conduzida pelo Professor Levy Brandão, do Campus Santana, trouxe mais aspectos culturais afrodescendentes e animou o evento, que ainda contou com exposições fotográficas do povoado quilombola Alto do Tamanduá. Coube ao grupo Makulelê o encerramento do evento, com mais uma bela apresentação cultural.

O legado de conhecimento deixado pela Mostra é uma das maiores armas no combate à intolerância e ao preconceito. Em 2018 tem mais! Confira fotos e vídeos exclusivos em nossas mídias sociais!

registrado em: