Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Ifal versus corona: a história das pandemias no mundo

Notícias

Ifal versus corona: a história das pandemias no mundo

Reportagens especiais vão esclarecer dúvidas sobre a Covid-19 e mostrar o que precisamos fazer lidar bem com esse momento

por Adriana Cirqueira publicado: 26/03/2020 15h18 última modificação: 30/03/2020 14h36

Em 11 de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) caracterizou a Covid-19, causada pelo novo coronavírus, como pandemia. A medida fez com que o mundo se preocupasse ainda mais com a doença que atualmente nos impõe o isolamento físico como melhor ação preventiva. Neste tempo de suspensão de aulas e trabalho remoto, o Departamento de Comunicação e Eventos do Instituto Federal de Alagoas (Ifal) começa uma série de reportagens especiais sobre a Covid-19 e o que precisamos fazer para passar lidar bem com esse momento.

Desde janeiro, a doença é considerada Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional – o mais alto nível de alerta da OMS. A história mostra que esta é a sexta vez que uma emergência assim é declarada. As outras foram a pandemia de H1N1 em abril de 2009; a disseminação internacional de poliovírus, em maio de 2014, o surto de ebola na África Ocidental, em agosto de 2014, o vírus zika e aumento de casos de microcefalia e outras malformações congênitas, em fevereiro de 2016 e o surto de ebola na República Democrática do Congo, em maio de 2018.

Ocorre uma pandemia quando uma epidemia de origem infecciosa afeta um grande número de pessoas em um ou mais continentes, podendo atingir todo o planeta. As doenças que causaram as maiores pandemias foram a peste, a gripe e o cólera. Estimativas revelam que, no século 18, a Peste Negra dizimou entre 25 a 75 milhões de pessoas, o que pode ter significado a morte de metade de toda a população mundial.

As primeiras pandemias registradas foram de gripe: na Ásia, em 1580; na Rússia, em 1732; na China, em 1781 e em 1830. A partir no século 19, as pandemias passaram a ser nomeadas: Gripe Russa (1889), Gripe Espanhola (1918), Gripe Asiática (1968) e Gripe de Hong Kong (1968). A maior delas foi a Gripe Espanhola que matou 40 milhões de pessoas e estima-se que contaminou metade da população do planeta. Mais recentemente, a Gripe Suína (2009) ou gripe A, no México, matou mais de 17 mil pessoas. 

As pandemias de cólera tiveram início em 1816, na Índia. Depois ocorreu em 1832, na Europa e América do Norte. Em 1852, reapareceu na Rússia e se alastrou pela Europa e África entre 1863 e 1875, contaminando a América do Norte em 1866 e a Alemanha em 1892, voltando à Russia em 1899. Em 1961, reapareceu na Indonésia se alastrando até chegar à União Soviética em 1966.

Outra pandemia da atualidade é a AIDS, uma doença causada pelo vírus da Imunideficiência Humana (HIV) que é transmitido pelo sangue, leite materno e sêmen e que, em quase 40 anos matou aproximadamente 40 milhões de pessoas em todo o planeta.

Covid-19

Os coronavirus pertencem a uma grande família viral que infecta animais e humanos.  Além de passar de um indivíduo infectado para outro, os coronavírus sofrem mutação e se combinam, formando novos agentes, em um processo de evolução e adaptação. As doenças respiratórias infecciosas causadas pelos vírus, em sua maioria, têm sintomas parecidos com o resfriado comum, mas algumas vezes causam doenças graves como a Síndrome Respiratória Aguda Grave - Sars (2002) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio - Meers (2012).

A pandemia causada pelo novo coronavirus, o SARS-CoV-2, surgiu na China em 2019. Apesar da alta taxa de contaminação, aproximadamente 80% dos casos são leves ou assintomáticos. Pode causar pneumonia grave em 14% dos casos e se torna crítica ou letal em aproximadamente 5%. 

O que diferencia essa pandemia das demais é que é a primeira com cobertura mundial 24 horas por dia, na era da internet. Somos bombardeados por informações e muitas delas não são confiáveis, o que gera medo e insegurança para além da realidade.

Os cuidados com a limpeza e o isolamento social são indispensáveis. As mãos podem transferir o vírus para os olhos, nariz ou boca. A lavagem frequente das mãos com água e sabão é a maneira mais eficaz de evitar o contágio. Além da água e sabão, um minuto de limpeza com álcool 62-71%, água oxigenada a 0,5% ou hipoclorito de sódio inativa o vírus em superfícies como móveis, utensílios, maçanetas, etc.

De acordo com o Mapa da disseminação do coronavírus, hoje, 26 de março de 2020, temos no mundo mais de 470 mil casos confirmados com mais de 20 mil mortos. Apesar dos números alarmantes, há 13 vezes mais pacientes curados do que mortos. Pessoas estão se recuperando, cidades, estados, países estão parando para frear essa pandemia.

E as pandemias terminam. Cumprem um ciclo que pode ser minimizado pela ação humana organizada. As anteriores comprovaram a importância da limpeza e do isolamento social para a contenção da proliferação de doenças. Passaremos por mais essa e dela sairemos fortalecidos e com conhecimentos em várias áreas. 

Façamos a nossa parte!


Referências

https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:folha-informativa-novo-coronavirus-2019-ncov&Itemid=875

https://www.bbc.com/portuguese/internacional-51987873

https://www.infoescola.com/doencas/principais-pandemias/

https://saude.abril.com.br/medicina/gripe-quais-foram-as-maiores-epidemias-da-historia/

https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2020/01/25/tire-suas-principais-duvidas-sobre-o-coronavirus-que-se-espalha-pelo-mundo.htm


registrado em: , ,