Você está aqui: Página Inicial > Sisu > Cursos ofertados > Bacharelado em Engenharia Agronômica

Bacharelado em Engenharia Agronômica

por Elaine Rodrigues publicado 15/01/2020 18h05, última modificação 24/01/2020 23h29

CampusPiranhas.pngLocal: Campus Piranhas

Modalidade: Presencial

Turno: Matutino e Vespertino

Carga Horária: 3.854 horas

Duração: 10 períodos

Vagas ofertadas: 40 (quarenta)

Mais informações no Projeto Pedagógico!

 

Objetivos

O Curso de Engenharia Agronômica do IFAL/ Campus Piranhas tem como objetivo formar Engenheiros Agrônomos capazes de promover, orientar e administrar a utilização dos fatores de produção visando racionalizar a produção vegetal e animal, planejando, pesquisando e aplicando técnicas, métodos e processos adequados à solução de problemas agrícolas e pastoris, considerando os aspectos socioeconômicos e ambientais, visando ao desenvolvimento agrário sustentável no âmbito das competências do exercício legal da profissão do Engenheiro Agrônomo no Brasil.

Objetivos Específicos:

a) Formar profissionais aptos a desenvolver, orientar e administrar a utilização de conhecimentos científicos e tecnologias de produção Vegetal e Animal que sejam 15 economicamente viáveis e socialmente justas para minimizar os impactos aos ecossistemas naturais do País, mais particularmente do Nordeste.

b) Propor modificações e,ou, transformações nos sistemas de produção e relações de trabalho, a partir do conhecimento dos ecossistemas, por meio do planejamento da pesquisa e da utilização e processos e técnicas adequados à solução de problemas relacionados ao desenvolvimento qualitativo e quantitativo de produtos agropecuários.

c) Criar um vínculo orgânico do curso com o rural, através de ações com, para e, nas comunidades, conforme as exigências e avanços da sociedade civil organizada e do setor produtivo.

d) Atuar no âmbito da agricultura familiar buscando a sustentabilidade, com ênfase no enfoque agroecológico, na proteção ambiental e na promoção à valorização do etno conhecimento, integrando o saber informal ao saber acadêmico, respeitando os anseios, necessidades, limitações e potencialidades regionais nas práticas agronômicas.