Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Luto: Ifal Palmeira perde Valter Amorim, um dos seus servidores mais antigos

Notícias

Luto: Ifal Palmeira perde Valter Amorim, um dos seus servidores mais antigos

Sepultamento ocorrerá às 10h no cemitério Campo Santo. Aulas foram suspensas nesta segunda, 09, para que a comunidade acadêmica possa prestar sua última homenagem no sepultamento

por Monique de Sá publicado: 09/09/2019 08h38 última modificação: 09/09/2019 09h03

A segunda-feira amanheceu triste para a comunidade acadêmica do Instituto Federal de Alagoas (Ifal), campus Palmeira dos Índios. Faleceu ontem, 08, o técnico-administrativo, Valter Luiz de Amorim, 53 anos. Ele trabalhava na unidade de ensino desde 1993, sendo um dos servidores mais antigos do campus. Atualmente, ele atuava no setor de Apoio ao Ensino, no turno da noite. Valter estava internado em um hospital em Maceió-AL há um mês, onde veio a óbito.

O campus Palmeira lamenta, com pesar, a morte do servidor, que era bastante querido por amigos, familiares e também pelos alunos do Instituto. “Lamentamos muito a perda do Valter. Além de ser um técnico eficaz, ele era um amigo e companheiro. Sempre irreverente! Um homem de boas conversas e que nos tirava boas risadas. Perdemos um grande amigo. Desejamos aos familiares que Deus esteja com eles neste momento”, diz o diretor-geral do campus, Roberto Fernandes.

O velório está ocorrendo no Cemitério Campo Santo, local onde o corpo será sepultado a partir das 10h. Valter deixou seis filhos, seis netos e uma esposa, a senhora Ariana Bezerra de Amorim. Como forma de homenagear o servidor, as aulas durante toda esta segunda, 09, foram canceladas para que toda a comunidade acadêmica possa comparecer ao velório. A direção do campus também decretou luto oficial de três dias, mantendo as atividades escolares a partir de amanhã, 10.

A aluna do 2º modulo de Segurança do Trabalho, Cledja da Silva, lembra que a simpatia e a cordialidade eram suas marcas. “O Valter era uma pessoa maravilhosa. Agradeço a Deus a oportunidade de conhecê-lo. Ele sempre pedia silêncio quando estávamos próximos às salas para que a gente não atrapalhasse as aulas. Não tenho palavras para expressar o carinho que tinha por ele e sinto por não estar mais entre nós. Ele foi e sempre será o ‘homem grandão’ com coração bom e ótimo profissional”, elogia a estudante.

 

registrado em: