Você está aqui: Página Inicial > IFAL > Reitoria > Comunicação e Eventos > Especial - Óleo no Nordeste

Especial - Óleo no Nordeste

por Elaine Rodrigues publicado 24/10/2019 11h49, última modificação 28/10/2019 13h42

Manchas de petróleo em MaragogiDesde o início do mês de setembro de 2019, manchas de petróleo cru apareceram nos nove estados do Nordeste. A situação tem afetado a vida de animais marinhos e causado impactos às cidades litorâneas. O Instituto Federal de Alagoas possui campi em Maragogi, Maceió, Marechal Deodoro e em Coruripe, cidades atingidas por este acidente ambiental de grandes proporções. A comunidade acadêmica se solidariza com os danos ambientais, o impacto deles na vida dos moradores da região, no turismo do estado e com as demais questões que envolvem o problema.

Veja aqui um pouco da repercussão desse desastre ambiental nos campi do Ifal.

Pesquisadores do Ifal desenvolvem robô sustentável para despoluição de praias

Robô Maria Farinha desenvolvido por pesquisadoresCerca de 430 toneladas de petróleo e areia contaminadas foram retiradas de praias alagoanas, sendo a maior parte retirada manualmente por mutirões organizados pela população.  Em casos como este, a ciência pode ajudar com soluções sustentáveis, inteligentes e muito eficazes. O uso de tecnologia e inovação aliada à preservação ambiental levou um grupo de pesquisadores do Instituto Federal de Alagoas – Ifal a desenvolver um robô que pode substituir os tradicionais tratores utilizados pelo poder público no processo de despoluição de praias: é o robô Maria Farinha, desenvolvido pelo Grupo de Pesquisa em Redes Inteligentes - GPRI do curso de Eletrotécnica do Ifal Campus Maceió, que pode revolucionar o trabalho de despoluição de praias de maneira eficiente. Leia mais!

Impacto no turismo do Norte de Alagoas ainda é incerto, avalia pesquisadora

Mancha de petróleo em MaragogiEmpresários, turistas, Instituto Federal de Alagoas, moradores da região e prefeitura de Maragogi estão atuando juntos na coleta de manchas de petróleo, que chegaram a Maragogi desde o dia 16 desse mês.  “Para o setor hoteleiro, esse problema das manchas é uma preocupação, uma vez que a alta temporada está batendo à porta, mas não sabemos ainda como isso vai impactar a questão da economia e dos empregos na região”, analisa pesquisadora. Leia mais!

Grêmio Paulo Freire participa de ação de limpeza de praias

Material recolhido em Maragogi

 Um grupo de nove estudantes seguiu para Peroba, onde se encontrou com outros voluntários do mutirão organizado pela prefeitura de Maragogi, moradores, empresários e turistas. Ao todo, foram  quatro pontos municipais de coleta criados pelos voluntários, na cidade turística.  Os alunos do Instituto Federal de Alagoas, campus Maragogi, levaram luvas, sacos e material de proteção individual para se juntarem aos voluntários da limpeza das praias da cidade. Leia mais!

Estudantes fazem mutirão para retirar manchas de petróleo das praias

Manchas de petróleo em MaragogiDegradação da barreira de corais e morte de animais marinhos, prejuízos para o turismo e a economia do litoral Norte. Esses são alguns dos impactos ambientais que as manchas de petróleo devem provocar na região, segundo o especialista em gestão ambiental e mestrando em Tecnologias Ambientais, Renato Lobo. “No estuário, onde a gente trabalha com o peixe-boi (que está em extinção), esse derivado do petróleo é absorvido quando entra em contato com a pele do animal. Ocorre um processo de redução de oxigênio, que o leva à morte". Leia mais!