Você está aqui: Página Inicial > Campus > Site > Piranhas Notícias > Ifal Piranhas desenvolve tapioca funcional

Notícias

Ifal Piranhas desenvolve tapioca funcional

Adição de farinha, oriunda de subprodutos do melão, à tapioca pretende diminuir índice glicêmico da goma

por Rhamayana Barreto publicado: 09/05/2018 09h34 última modificação: 09/05/2018 10h26

Ingrediente muito presente na culinária nordestina, a goma de tapioca, fécula extraída da mandioca, é um alimento de alta densidade energética e baixa densidade nutritiva. Uma pesquisa desenvolvida no Instituto Federal de Alagoas, campus Piranhas, pretende deixar a tapioca mais funcional e rica nutricionalmente, diminuindo o seu índice glicêmico, ao acrescer à goma uma farinha produzida com casca e sementes do melão. Além de enriquecer a tapioca com a proteína oriunda da semente, outras propriedades nutricionais também se agregam ao produto, evitando assim o desperdício e possibilitando o aproveitamento dos subprodutos da fruta. A pesquisa foi desenvolvida por uma aluna e por servidores do Curso Técnico Integrado em Agroindústria.

Da atividade laboral ao trabalho científico

Elaine Soares Ferreira, está no último ano do curso e necessitava cumprir 150 horas de estágio obrigatório para se formar. Ela faria o estágio no laboratório de alimentos, mas para isso, precisava de uma ideia para o objeto de sua pesquisa. É aí que Hugo Araújo e Regilane Feitosa, técnicos de laboratório de agroindústria, cruzam seu caminho. Quando receberam a aluna no laboratório, eles tinham acabado de ingressar no Ifal como servidores e estavam cheios de vontade de produzir e ajudar. Conversando com Elaine, descobriram que ela trabalha com tapioca em Olho d’Água do Casado. Por acreditar que a pesquisa não deve estar descolada da realidade da comunidade e nem dos alunos que a desenvolvem, Hugo e Regilane pensaram em uma forma de unir a pesquisa à atividade laboral da aluna.

Elaine Soares já trabalhava com tapioca e pesquisou forma de tornar o produto mais funcional

Aproveitamento de subprodutos

Foi, então, que surgiu a ideia de enriquecer a tapioca com uma farinha produzida a partir da casca e sementes do melão. Este ingrediente e suas propriedades já eram conhecidos por Regilane, através de trabalhos anteriores na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Ela conta que a semente do melão é rica em proteínas e que há muitas pesquisas internacionais desenvolvidas com a fruta que exploram suas propriedades nutricionais. Enquanto é possível encontrar um percentual de 20 a 30% de proteínas na semente do melão, a tapioca, rica em carboidratos, é carente em proteínas e fibra, o que faz dela um alimento de alto índice glicêmico. “A semente, durante o consumo, acaba sendo um resíduo descartado, porém ela não é um resíduo, e sim subproduto da fruta bastante rico. Quando aproveitamos a semente e a casca do melão, adicionando-a à tapioca, além de enriquecer o produto, evitamos o desperdício de alimentos”, esclarece Regilane.

Índice glicêmico

A nutricionista Raíza Pinheiro explica que muita gente, que quer perder peso, se engana ao substituir o pão francês pela tapioca, achando que está ingerindo um alimento menos calórico e que contribui para o processo de emagrecimento. “Se compararmos a quantidade de carboidratos em uma porção de 50 g da goma de tapioca e do pão francês, a goma tem uma quantidade maior de carboidratos, sendo estes, nos dois alimentos, um carboidrato simples, de rápida absorção, ou seja, ambos são alimentos de alto índice glicêmico. E esse alto índice glicêmico provoca uma elevação da glicemia de uma forma muito rápida que, associada ao aumento dos níveis de insulina, não são favoráveis ao emagrecimento”, afirma Raíza. Ela explica, no entanto, que para pessoas que têm doença celíaca ou sensibilidade ao glúten, a substituição é uma ótima opção, pois a tapioca não possui glúten.Tapioca acrescida da farinha do melão

Com a adição da farinha do melão na goma, Raíza sugere que pode haver uma diminuição do índice glicêmico da tapioca, já que alguns estudos demonstram a qualidade nutricional de subprodutos das frutas, como cascas e sementes, que podem ser ricos em fibras, compostos antioxidantes e proteína. “Agregar valor nutricional à tapioca serve, portanto, como estratégia para minimizar o efeito de seu índice glicêmico, aumentando a quantidade de fibras e proteína no alimento”, afirma. A dica da nutricionista para quem quer minimizar esse efeito da tapioca, como fizeram a aluna Elaine e os técnicos Hugo e Regilane em sua pesquisa, é acrescentar à goma algum tipo de fibra, como sementes de chia, de linhaça ou farelo de aveia, e recheá-la com ingredientes proteicos (ovos, frango, queijo branco ou atum), pois a proteína também ajuda a reduzir a velocidade de absorção dos carboidratos.

Processo de produção

Tapioca com farinha do melão teve 100% de aprovação pelos avaliadores

O técnico de laboratório de agroindústria, Hugo Araújo, conta que o processo de produção da farinha se deu a partir da secagem em estufa das sementes e cascas do melão, no laboratório de físico-química de alimentos. O material foi exposto a três tipos de temperaturas: 50°, 60° e 70° C. Em seguida, foi liquidificado até obter-se a farinha. “Fizemos uma análise sensorial da tapioca acrescida da farinha e recheada com queijo coalho e tivemos uma aprovação de 100% dos avaliadores, eles gostaram das três farinhas apresentadas, mas a melhor recebida pelo público foi a secada à 50° C”, conta Hugo. A aluna e estagiária da pesquisa, Elaine Soares, diz ter ficado muito satisfeita com o resultado da pesquisa e com a aprovação dos avaliadores na primeira análise degustativa da tapioca funcional. Como comerciante de tapioca, ela aposta também no sucesso da farinha no mercado. Quem sabe este não seja um pontapé para produção de uma tapioca funcional pela indústria alimentícia?