Você está aqui: Página Inicial > Campus > Site > Marechal Deodoro Notícias > Estudante do Campus Marechal lança Rap da Emancipação para marcar 200 anos de Alagoas

Notícias

Estudante do Campus Marechal lança Rap da Emancipação para marcar 200 anos de Alagoas

Trabalho foi produzido pelo setor de Comunicação e está disponível na internet

por Acássia Deliê publicado: 12/09/2017 12h36 última modificação: 15/09/2017 18h50
Exibir carrossel de imagens Professor Bruno e Roberto durante a gravação da música

Professor Bruno e Roberto durante a gravação da música

Na semana do bicentenário da Emancipação Política do estado, o Instituto Federal de Alagoas (Ifal) usou a música para debater história e cultura no Campus Marechal Deodoro. A convite da instituição, o estudante Roberto Miguel, do curso técnico em Meio Ambiente, produziu um rap para marcar a data. O clipe musical “Rap da Emancipação” foi lançado nesta terça-feira (12) na escola e nas redes sociais. 

Roberto Miguel, também conhecido como MVR Pitoko, tem 18 anos, é de São Miguel dos Campos e foi uma das revelações do Festival Maracutaia 2017, promovido por professores do Campus para incentivar produções artísticas e culturais entre estudantes. O rap surgiu na vida do garoto como uma forma de expressão que ajudou a superar a timidez. 

“Eu já costumava ouvir grupos nacionais quando ganhei o CD de um produtor alagoano de Rap em um evento na minha cidade. Era o PH. Foi a música dele que me incentivou a escrever, fazer minhas rimas. Foi ele também que me ajudou a gravar minhas primeiras músicas”, conta Roberto. “Sempre fui muito tímido e no rap eu consigo expressar as minhas desilusões e falar sobre temas importantes como a questão racial. Minha pele é branca, mas sou descendente de negros e índios, povos que foram muito reprimidos ao longo da nossa história”. 

No Rap da Emancipação, além da questão racial, o estudante também aborda temas como política, desigualdades sociais, belezas naturais e ícones da cultura alagoana. “A história de Alagoas tem pontos positivos e negativos e acho que temos que falar sobre todos eles, porque acredito que a partir dos erros do passado é possível acertar no presente e no futuro”, diz o estudante. 

Rap como didática 

O projeto foi uma iniciativa do setor de Comunicação do Campus Marechal Deodoro, com apoio da Diretoria de Ensino e parceria com o professor Bruno Ribeiro, que leciona as disciplinas de Língua Portuguesa e Literatura, além de ser um dos escritores contemporâneos de Alagoas. Em sala de aula, Bruno costuma utilizar o rap como didática. 

Sempre procuro utilizar músicas em minhas aulas, dos mais variados gêneros. Mais recentemente, utilizei os raps ‘Ainda há tempo’, de Criolo; e ‘Bonecas pretas’, de Larissa Luz. Nas aulas de literatura, já utilizei, por exemplo, o rap ‘Tupi fusão’, de Vitor Pirralho, para discutir questões referentes aos movimentos da Poesia Pau-Brasil e da Antropofagia, ambos do início do século XX. Mas o debate também passa por diversas situações que envolvam toda a miscigenação histórica e cultural brasileira. Um prato cheio para professores e professoras de outras áreas, não só de português e literatura”, avalia o professor. 

No projeto sobre os 200 anos de Alagoas, Bruno orientou Roberto na revisão da letra escrita pelo estudante, aperfeiçoando o trabalho. Para o professor, foi um momento de interação enriquecedor para ambos. “Entendo que todos nós que trabalhamos com educação precisamos desenvolver outros meios de interação com nossos jovens”, diz Bruno, ao contar o que sentiu quando leu a letra pela primeira vez: “Gostei logo de cara. A letra me seduziu desde o início. Depois a música e o vídeo. Roberto foi meu aluno e sempre participou bem das minhas aulas, ainda que discretamente, devido à timidez. Ele encontrou no rap um meio de se expressar muito verdadeiro e bonito".

"A letra do ‘Rap da Emancipação’ é bastante verdadeira, honesta. Assim como é comum no gênero, Roberto também aproveitou a chance para tecer importantes críticas ao nosso estado, a como se deu de fato esse processo de emancipação. Mas não deixando de ressaltar aspectos positivos, como a diversidade cultural e as belezas naturais. Enfim, o ‘Rap da Emancipação’ é também um convite à nossa emancipação artística e a certeza de que nossa juventude tem muito o que nos dizer. É a voz e a vez dela. Ouvidos atentos!”, fala o professor.

O clipe musical foi produzido pelo Campus Marechal Deodoro, com apoio do Estúdio QG Dus Mano e do Piracema Studio. Clique e confira: