Você está aqui: Página Inicial > Campus > Site > Arapiraca Notícias > Obras do Ifal Arapiraca devem ser concluídas no primeiro semestre de 2018

Notícias

Obras do Ifal Arapiraca devem ser concluídas no primeiro semestre de 2018

Comissão responsável pela mudança visitou e avaliou as novas instalações

por publicado: 15/12/2017 11h05 última modificação: 15/12/2017 11h05

Estão em fase de acabamento as obras da sede do Ifal em Arapiraca. Nesta quinta-feira (14), o diretor-geral do campus, Fábio Ribeiro, e a comissão formada por servidores responsáveis pela mudança estiveram nas novas instalações, que ficam às margens da rodovia estadual AL-110. A previsão da empresa responsável pela obra é que a nova sede deve ser concluída no início do primeiro semestre de 2018.

O prédio conta com ginásio de esportes, auditório para cerca de 150 pessoas, salas de aula, laboratórios e refeitório. O projeto também possui áreas de lazer e espaços que vão ganhar vida com projetos paisagísticos.

De acordo com a arquiteta Richeneia Paranhos, a equipe está fazendo uma revisão na parte da acessibilidade, para estar de acordo com as normas e para que seja feito o acabamento da obra. A última parte vai ser a pintura e a limpeza de todo o prédio. “Temos gente suficiente e fizemos uma planilha, que mostra todos os serviços pendentes e as datas para o término de cada serviço. A previsão é concluir um pouco antes, para que possamos fazer uma revisão geral”, contou.

O contrato de execução do serviço determina que a empresa tem até o dia 19 de fevereiro para entregar a obra. A comissão responsável pela mudança já estuda algumas interferências para o projeto, como a implantação de um projeto de autossuficiência com energia solar fotovoltaica. Esse projeto deve dar autonomia total ao campus na parte elétrica, transformando a energia solar em eletricidade.

Atualmente, o Ifal Arapiraca funciona provisoriamente no bairro Ouro Preto e atende a comunidade do município e de mais 14 cidades vizinhas. A sede começou a ser construída em 2009, mas desde então foram reincididos contratos com construtoras devido ao não cumprimento de prazos e outras dificuldades na execução. “Finalmente estamos chegando ao final de uma etapa muito esperada pela comunidade acadêmica e isso certamente vai garantir resultados muito melhores que os de hoje, que já são satisfatórios. Esperamos que a infraestrutura adequada seja um trampolim para o que já é feito e também para uma possível ampliação dos serviços”, afirmou o diretor-geral do campus.